segunda-feira, 15 de outubro de 2012

O que vale o desporto português?

Um texto de Luís Leite que se agradece



Partindo do princípio de que o valor desportivo de um país se mede pela qualidade relativa das suas seleções nacionais nas disciplinas coletivas e dos melhores atletas nas disciplinas individuais nas grandes competições mas também nos RANKINGS MUNDIAIS, decidi fazer uma busca na net e nos sites das Federações Internacionais, a fim de qualquer pessoa interessada poder tirar as suas conclusões.

 
Estando Portugal atualmente em 36º lugar no ranking mundial do PIB per capita e em 41º no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, vejamos as classificações atuais (13 de Outubro de 2012).

 
Nas modalidades coletivas mais significativas e em que existem rankings:

 
Hóquei em Patins: Não há rankings, mas Portugal estaria provavelmente no 2º lugar.

Futebol masculino: 3º

Ténis de Mesa masculino por equipas: 7º

Ciclismo (estrada): 10º

Râguebi masculino: 26º

Andebol masculino: 30º

Voleibol masculino: 38º

Ténis (Taça Davis): 41º

Basquetebol masculino: 44º

Nenhuma modalidade feminina no Top 50.


 
Nas modalidades individuais, atletas no Top 20, em modalidades pluridisciplinares ou várias categorias de peso ou distância (Remo e Canoagem não têm rankings):

 
Telma Monteiro (Judo 57Kg): 3ª

Jorge Caeiros (Karate Kata): 6º

João Costa (Tiro Pist. 10m): 9º

Rui P. Bragança (Taekwondo, -58Kg): 9º

Tiago Monteiro (Automobilismo, WTCC): 9º

Miguel Oliveira (Motociclismo, GP Moto 3): 9º

Rui Costa (Ciclismo, Estrada): 10º

Rui Gonçalves (Motocross, MX1): 10º

Mário Silva (Taekwondo, -63Kg): 10º

Álvaro Parente (Automobilismo, GT1): 11º

Marco Fortes (Atletismo, Peso): 13º

Vitalie Certain (Karate, Kumite, -60Kg): 13º

Ana Cabecinha (Atletismo, 20Km Marcha): 13ª

Patrícia Mamona (Atletismo, Triplo): 14ª

Armindo Araújo (Automobilismo, Rallye): 14º

João Costa (Tiro Pist. 50m): 15º=

Catarina Vilhena (Karate Kumite, -68Kg): 15ª=

João Vieira (Atletismo, 50Km Marcha): 17º

Nuno Moreira (Karate, Kumite, -75Kg): 17º

Sara Moreira (Atletismo, 10000m): 18ª

Cátia Rodrigues (Karate, Kumite, -50Kg): 18ª

Luís Pinto (Ciclismo, Mountain Bike Marathon): 19º

Joana Castelão (Tiro Pist. 10m): 20ª



Nas modalidades individuais simples, atletas no top 50:


 
João Silva (Triatlo): 10º

Marcos Freitas (Ténis de Mesa): 25º

Tiago Apolónia (Ténis de Mesa): 37º

João Monteiro (Ténis de Mesa): 48º


 
Nota: Foram ainda verificados os rankings da Natação, Vela, Ginástica, Ténis, Esgrima, Tiro, Equestre e Badmington.

Nos Desportos Motorizados não existem rankings, pelo que só a classificação nos Campeonatos do Mundo pode ser analisada.

 
Peço desculpa por alguma falha que possa existir nas buscas.
As conclusões ficam ao critério de cada leitor.

16 comentários:

Anónimo disse...

A propósito das medalhas já se tinha visto que as contas não são o forte do Prezado Arq. Luis Leite. Não é nenhuma desonra não saber fazer contas. E até merece alguma condescendência pela sinceridade e pela convicção com que as apresenta, porque mostra que não se apercebe da figura que faz.
Talvez seja por isso que na arquitetura são necessários os engenheiros, pois arriscávamo-nos a morrer todos nos escombros dos desenhos.

Mas com estas contas ao desporto que o Prof. Doutor J.M.Meirim pôs fez lembrar a profunda e sábia frase do Douto Ministro das Finanças: “Faço isto para retribuir o dinheiro que o país gastou com a sua educação.”

Não leve a mal, é apenas demais para ficarmos sérios.

Talvez

Anónimo disse...

Na Natação Temos :
“Será que é de bom senso abrir as assembleias de voto para dia 19, dia da semana, onde todos trabalham, treinam ou têm atividades?” questiona-se a Comissão Eleitoral “por que não disponibiliza assembleias de voto nas restantes associações territoriais (Minho, Nordeste, Aveiro, Leiria, Santarém e Alentejo)?”.

“Já entendemos todos o propósito. Pode ser que o tiro saia pela culatra.todos os responsáveis pelas Associações territoriais devem exigir, em conformidade com o artigo 42º, a existência de uma assembleia de voto, dignificando dessa forma os seus filiados e pugnando por uma democracia aberta e não pelos mitos dela decorrentes”

Na Natação acontece:
As listas definitivas de candidatos admitidos, delegados designados por inerência, e locais e horários das assembleias de voto da eleição para Delegados à Assembleia Geral foram apenas ontem anunciadas pela Federação Portuguesa de Natação no seu site oficial, quando o documento está datado de 04 de outubro de 2012.

Fernando Tenreiro disse...

Caro Luis Leite
A sua analise tem um problema.

Esta' a comparar coisas diferentes.

A performance desportiva e' distinta de outros sectores.

A comparaçao melhor e' da performance desportiva de pai'ses europeus equivalentes a Portugal.

Luís Leite disse...

Mais alguns dados:

No Xadrês não há nenhum português nos 100 melhores masculinos ou femininos.
Na Natação, o melhor é Diogo Carvalho, 45º nos 200m estilos.
No Ténis, o melhor é agora João Sousa, que subiu ao 99º lugar.
No Golfe não há nenhum português nos 500 melhores.

Anónimo disse...

Natação

Portugal no ranking europeu caiu para 39º ligar em 42 paìses

Anónimo disse...

Dao-se alvisseras sobre quem tiver o orçamento para o desporto

Luís Leite disse...

Caro Fernando Tenreiro e ilustríssimos Talvezes:

1) Eu não fiz contas nenhumas; limitei-me a consultar os sites das Federações Internacionais;

2) Eu não comparei nada; limitei-me a apresentar os resultados das buscas ordenados;

3) Não tirei quaisquer conclusões; qualquer pessoa pode tirar as suas.

O Sr. Talvez passou das marcas com o que escreveu.
Exijo imediata apresentação de desculpas.

Anónimo disse...

Aqui vão as desculpas, prezado Arq. Luis Leite.

Não se zangue. Todos nós não somos tão importantes como achamos que somos.

A Vida já sabe quem todos nós somos desde que nascemos. Não se amofine.

A troca restrutura e avisa-nos para as partes que nem sabíamos que éramos.

Sobre as contas lembre-se que na «história das ideias humanas» há um dilema ainda não resolvido entre Positivismo e Fenomenologia. Logo, não tem que se ofender. Bastaria perspetivar qual é a sua posição nesse intervalo entre «métodos quantitativos» e «métodos qualitativos». A noção de Realidade depende dessa opção, e é construída por ela, queiramos ou não.

Talvez

Anónimo disse...

O Exmo. «Anónimo de 16Out2012 15:09» não acredita que a Folha A4 é uma proposta que vai acontecer (mais cedo ou mais tarde). Talvez por ter sido o Talvez a construi-la, e não outro nome mais mediático e costumeiro.
As «contas» que ela implica (ver quantificação que apresentei), e os ganhos em eficiência e eficácia, são o motivo da sua inevitável adoção. São importantes demais para serem menosprezados.
Na Folha A4 o Desporto vai para outro lugar na orgânica do Governo. Já foi sugerido aqui que talvez pudesse ir para a Educação. Porém, a ADD da Folha A4 permite essa ou outras opções.
Portanto não é de admirar que encontre esse orçamento noutro lugar.
Se isso acontecer, já neste, não prescindo das alvissaras que disse que daria.

Talvez

Fernando Tenreiro disse...

Luís Leite

Obrigado pelo sua resposta.

Esta frase é sua "Estando Portugal atualmente em 36º lugar no ranking mundial do PIB per capita e em 41º no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, vejamos as classificações atuais (13 de Outubro de 2012)."

O que reitero é que esta comparação não é aceitável.

Acrescento que há vantagem para o seu objectivo de usar a classificação de outros países equivalentes a Portugal.

Anónimo disse...

Apenas para não ficar tão zangado repare que não é o único.

Não se esqueça do contributo de Thom. Em termos matemáticos há aquelas famosas «seis ruturas de valor» que R. Thom descreveu. A partir das quais os cálculos só têm validade dentro de cada um desses seis contextos-tipo, perdendo a validade fora deles.
E, quando isso acontece, as «contas» passam a estar «erradas».

Veja o que aconteceu ao desgraçado do Ministro. Quando «o contabilista» saiu do casinhoto e entrou na porta da Vida e da Sociedade (onde aliás se percebe que andou pouco) fez logo borrasca.
E ainda hoje não sabe porque lhe aconteceu.
E só o saberá se conseguir sair do conceito que faz de si como «um bom contabilista que estudou muito». Senão conseguir sair desse contexto-tipo nunca compreenderá onde falhou.

Repare na demonstração do que digo. Passo a citar: “O eurodeputado Nuno Melo (CDS PP) apelou hoje a uma "reavaliação das contas" do memorando de entendimento negociado entre Portugal e a Troika, após o Fundo Monetário Internacional (FMI) ter reconhecido um erro na avaliação do impacto da austeridade.”

Não era de prever, como previ muito antes desta ebulição, que uma insensatez nunca se resolve com outra ainda maior?

Talvez

Luís Leite disse...

Fernando Tenreiro:

Uma vez mais esclareço que não fiz nenhuma comparação.
Limitei-me a apresentar classificações em rankings.
Que cada um poderá utilizar como entender, formulando todo o tipo de raciocínios, desde que explicando os critérios utilizados.

Luís Leite disse...

Quanto a Talvez, divaga na área do Surrealismo.
O que é perfeitamente legítimo, embora "démodé".
Não deve ter nunca contactado diretamente com o mundo real do Desporto nacional ou internacional.
O seu território é o das citações de autores, vício da maioria dos carreiristas universitários.
E pelos vistos não sabe o que são "contas", o que é mais grave.
Já não se aguenta mais a Folha A4.

CRCQL Futsal no Feminino disse...

Futebol Feminino 46º
http://pt.fifa.com/worldranking/rankingtable/women/index.html

Anónimo disse...

Prezado Arq. Luís Leite, o que para aí vai. Ponha-se direito homem, não se atrapalhe.

Você não é o único que não sabe fazer contas. Repare no que diz hoje o economista João Duque: (passo a citar) “As contas estão mal feitas e Portugal é uma cobaia. Há uma falha dos modelos. Vejam o que foi o orçamento de 2012. Tínhamos uma previsão de cobrança do IRS, IRC e do IVA. Com base na última execução orçamental vejam qual era a previsão e a realidade (mostrando quadros comparativos durante o evento IDC Directions que decorreu no Estoril): o IRS subiu, o IVA desceu. Isto são desvios colossais. É óbvio que os modelos do FMI e de Vítor Gaspar não comportam as grandes alterações que estão a ocorrer na economia portuguesa."

Mas o que o Prezado Arq. Luís Leite devia explicar a todos é porque uma pessoa que não sabe fazer contas ocupou cargos e responsabilidades numa Federação e no desporto português. Ao fim destes anos todos como poderia o desporto português valer mais?
Não devia pedir desculpa por isso? Não é esse o valor para o qual contribuiu? Ou não é esse o título do post?

Talvez

Luís Leite disse...

Sr. Talvez (surrealista tardio?):

1) Você não foi sincero ao apresentar desculpas, uma vez que reincidiu;

2) Eu sei fazer contas como sabe, por razões de formação, qualquer arquitecto (pelo menos do meu tempo); incluindo métodos estatísticos;

3) O meu texto nada tem a ver com contas, como já referi várias vezes;

4) Para sua informação, enquanto fui Vice-Presidente responsável pela Preparação Olímpica, Alta Competições e Seleções Nacionais (2005/2009) o Atletismo Português ganhou, só em grandes competições internacionais, 44 medalhas, algo nunca visto em qualquer outra Federação portuguesa, em qualquer modalidade.

Como a paciência se esgotou, não responderei a mais provocações vindas de V.Exa.