segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Dia Internacional das Pessoas com Deficiência

As associações das pessoas com deficiência dizem que o dia de hoje não tem muito para comemorar, pois “o panorama da situação actual e do futuro próximo não podia ser mais desolador", nomeadamente a nível da educação, do emprego, das prestações sociais e fiscais, das barreiras físicas e de informação nas ruas e nos edifícios públicos.
Todos temos a convicção que não se trata de mera retórica associativa, por isso num enquadramento social das pessoas com deficiência envolto em tamanhas dificuldades, o desporto tem marcado pontos e muitos mais ainda poderá marcar, no sentido de contribuir para a felicidade de muitas delas.
Hoje, destaco uma das muitas lições de vida que recebemos das pessoas portadoras de deficiência e abro neste espaço esta temática para ulteriores reflexões. Por isso:
- Quando tiver dias em que o acordar seja difícil;
- Quando imaginar que consegue tudo sem precisar da família, dos amigos e das instituições;
- Quando a luz de que necessita estiver longe...
Veja e recomende este vídeo, por favor!

5 comentários:

Anónimo disse...

Como perguntar não ofende ... pergunto:

- se a Marta não fosse quem é, alguma vez teria conseguido acabar o curso e as cadeiras práticas que lhe faltavam?

Nunca houve casos (idênticos mas diferentes) de pessoas que foram obrigadas a ter de mudar de curso?

Raul disse...

É um exemplo a seguir pois há muita gente, que com muito menos do que a Marta, desiste.
A Marta é digna de todo o apoio e admiração. Parabéns.

Raul Rafeal da Veiga Cabral

Raul disse...

É claro que a Marta tinha que ser quem é e também ter o apoio da familia.

Desconheço. Mas é bem possivel que algumas pessoas foram obrigadas a mudar de cursos.

Anónimo disse...

Finalmente um post a lembrar-se daqueles que são normalmente esquecidos, marginalizados e discriminados. Este blog é giro, mas preocupam-se muito com as leis e com os politicos e o desporto é muito mais do que isso.
Raul Dias

Maria José Carvalho disse...

Avocando a célebre frase de Ortega y Gasset de que "eu sou eu e mais as minhas circunstâncias", ainda bem que a Marta é quem é, e certamente é uma mulher extraordinária, e ainda bem que tem familiares que a apoiaram e acarinharam incondicionalmente. Mas quantos conhecemos cujas “circunstâncias” são bem felizes e desistem como referiu o Raul Cabral?

Contudo a questão de uma pessoa com deficiência poder ou não frequentar e com êxito um curso de desporto é bem pertinente e por mim não é passível de qualquer controvérsia, sim e ponto final.