sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Do Desporto ao Direito e de volta ao Desporto (acompanhada pelo Direito)



Numa recente ida à Faculdade de Motricidade Humana constatei que alguns alunos visitam este espaço e dele retiram utilidade.
Daí que dedique este texto aos alunos das escolas superiores de desporto.

Ente 1978 e 1981 praticou voleibol; entre 1977 e 1993, também praticou andebol; foi internacional A em mais de 90 jogos; foi treinadora e seleccionadora de andebol de várias selecções femininas a nível regional; foi treinadora de crianças; foi dirigente desportiva.

Licenciou-se em Educação Física, na Universidade do Porto, em 1988; licenciou-se em Direito em 1997; alcançou o grau de mestre em Gestão desportiva com classificação final de Muito Bom, no ano de 2001; “tirou” uma pós-graduação em Direito do Desporto, em 2002; foi docente de educação física em escolas secundárias; foi monitora no ISEF da UP, foi assistente convidada do ISMAI; foi advogada; foi docente de mestrados na Faculdade de Desporto da UP; é casada; tem um filho.

No passado dia 13, no dia da assinatura do Tratado de Lisboa, tenha lá o valor que tenha para as nossas (vossas) vidas, concluiu com êxito as provas de doutoramento em Ciências do Desporto (Gestão Desportiva), na sua Faculdade.

Foi e é assim a Maria José Carvalho.

E o princípio que a norteou encontra-se bem retratado num tema de um grupo para muitos de vós desconhecido – bem como para ela –, os Sparks.

How do I get to Carnegie Hall?
Practice, man, practice

Lil’ Beethoven
An album by Sparks
2002

6 comentários:

Anónimo disse...

Fui aluno da Professora Maria José Carvalho em vários cursos de formação e numa Pós-graduação e não imaginava o excelente curriculum da mesma. Agora compreendo melhor porque é que a Prof.ª é tão determinada, tão conhecedora e fala da realidade do nosso desporto e não apenas dos livros e dos autores. Mais do que toda a sua competência profissional admiro a sua humildade e a forma próxima como se relaciona com os alunos. Bem-haja e parabéns.

Tavares Moreira

João Almeida disse...

Bonito percurso.
Um exemplo para muitos homens e mulheres do desporto.
Muitos parabéns Prof.ª Dr.ª Maria José Carvalho.
Como dizia uma das faixas mais emblemáticas dos Sparks que punha muito boa gente no saudoso Rock's a dançar...

You gotta beat the clock, beat the clock,

Maria José Carvalho disse...

Uma das boas surpresas deste dia 13foi o presente de uns alunos que me brindaram com o seguinte poema/canção de Milton Nascimento:

Maria, Maria
É um dom, uma certa magia
Uma força que nos alerta
Uma mulher que merece viver e amar
Como outra qualquer do planeta

Maria, Maria
E o som, é a cor, é o suor
E a dose mais forte e lenta
De uma gente que ri quando deve chorar
E não vive, apenas aguenta

Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem tem no corpo a marca
Maria, Maria

Mistura a dor e a alegria
Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania
De ter fé na vida

Aos alunos de Desporto e de Direito do Desporto que me permitiram hoje ser melhor do que ontem muito obrigada, e já agora aos alunos destas áreas de qualquer idade permitam-me dizer-lhes o seguinte:
O percurso académico e profissional descrito neste post pelo Prof. JMMeirim tem sido rico sobretudo no contacto com as pessoas e este foi e é, para mim, o meio de maior potencial para a aprendizagem e transmissão de conhecimentos. Por isso, procurem conhecer, na área da gestão e política desportivas, quantos mais autores internacionais melhor, mas, por favor, não descurem personagens nacionais. Entrevistem-nos, formal e informalmente, leiam os seus escritos, procurem ter com eles momentos de reflexão e de debate. Deixo-vos, alguns nomes, sendo que desejo que quem ler esta mensagem retire em dobro os proveitos e ensinamentos que retirei das leituras e contactos que fui e vou tendo com eles nas “lides desportivas”:
José Manuel Meirim;
Jorge Olímpio Bento;
José Manuel Constantino;
Gustavo Pires;
Melo de Carvalho;
Fernando Mota;
António Marques;
Jorge Araújo.

E vejam lá a influência dos Orientadores, (e deste em particular porque é uma “espécie rara” e será sempre “o meu orientador”) que em vez de estar preocupada com as compras de natal, vou é de seguida matar a ansiedade e comprar o CD dos Sparks, Lil’ Beethoven.

Anónimo disse...

Foi um orgulho ver a Professora fazer a apresentação do seu trabalho, assim como o período seguinte da defesa do mesmo. Como poucos, não precisou de ler para apresentar a tese e fê-lo com brilhantismo. Nas respostas aos arguentes esteve implacável. Muitos parabéns.

Inês Maria Gonçalves

Ant. João Paes de Faria disse...

Publicamente aqui declaro os meus grandes e dolorosos remorsos por não ter podido estar presente na sessão de apresentação e defesa da sua tese de doutoramento de Maria José Carvalho – e não sei como me redimir disto...

Tive o privilégio de ter sido aluno da DOUTORA Maria José Carvalho na parte escolar do mestrado de gestão do desporto.
A partir dessa altura, fiquei seu fã incondicional pela sua energia, pelo seu estilo e pelo entusiasmo que dedica às nobres causas – mau grado não ter gostado da nota que me deu...

Incómoda para uns, mas um exemplo para todos.
Com ela faz todo o sentido esta ideia, que me acompanha sempre:
"Progress is impossible without change, and those who cannot change their minds cannot change anything" (George Bernard Shaw)

Com este doutoramento ficaram todos a ganhar...
Os que querem mudar ganharam uma nova DOUTORA para a sua equipa.
E os defensores do status quo também ganharam... ganharam uma adversária DOUTORA.

Teixeira Homem disse...

Apenas para felicitar a DOUTORA Maria José e dizer-lhe que valeu a pena ter faltado à aula para assistir à defesa da sua tese.
Jamais poderia esta ausente nessa hora de festa de quem sempre me ajudou quando precisei.

Um beijo de PARABÉNS